30.6.20

SOBRE SER MÃE

Como trabalho principalmente com mulheres surgem conversas de muitas áreas e percebi que dentro da da maternidade ainda há muitos tabus.

Tabus sobre as mulheres que não querem ser mães, sobre as mulheres que querem ser mães solteiras e recorrem à inseminação artificial, sobre as mulheres que detestam o seu corpo quando estão grávidas, sobre as mulheres que não gostam de estar grávidas, sobre mulheres que adoptam os filhos dos seus companheiros, sobre as mulheres que perdem os seus bebés... E, sobre estas últimas são tantas as histórias que resolvi partilhar uma parte da minha, porque afinal também me incluo nelas.

Quando é que a mulher se torna mãe? O que faz de uma mulher uma mãe? 
Ao contrário do que muitas vezes se lê, uma mãe não nasce quando pega no seu bebé pela primeira vez depois do parto, porque há muitas mulheres que adoptam e não passam por essa experiência, enquanto que há mulheres que a têm e depois rejeitam os seus filhos. Há também aquelas que se sentem infelizes e frustadas com a sua vida e que usam os filhos como escudo para ferir o pai, ignorando qualquer malefício que vá provocar emocionalmente neles. 

Ser mãe é um conjunto de características e emoções que vão muito para além da palavra ‘mãe’. Ser mãe é altruísmo. É um abdicar tão forte do ‘eu’ que deixa de haver espaço para egoísmos. Ser mãe é responsabilidade. Tudo passa a ser feito em função daquele ser tão puro, um diamante em bruto que vai ser lapidado com os valores e princípios que lhe incutirmos. Ser mãe é protecção e amor. É sentir pela primeira vez o que significa a palavra medo.

Mas ser mãe também é ter momentos de frustração, desespero e raiva, que surgem pela privação de sono, pelo não saber lidar com emoções, as suas e as da criança, pela insegurança e dúvida de saber se se está a fazer o certo.

E é aqui que te digo que, ao contrário do que ouves, não existe o certo ou o ideal. Só tens que te guiar pela intuição e acreditar que a natureza sabe sempre o que faz.


Onde a minha história se encaixa nisto? Porque faço parte do grupo de mulheres que adopta os filhos do companheiro. Sim, aquela posição ingrata porque não pretendemos ocupar o lugar da mãe, mas ao mesmo tempo temos a responsabilidade de dar um bom exemplo e incutir valores. É amar alguém que não é nosso mas que de certa forma nos pertence e faz parte da nossa vida. Não, não é fácil, mas quando é feito com verdade e se tem fé, a vida mostra-nos o caminho e torna-se muito gratificante.

E depois também faço parte do grupo de mulheres que perdem os seus bebés. Sim, eu, aquela que sempre disse que não queria ser mãe ficou grávida e ainda por cima com uma gravidez de risco. 

Tentei cumprir todas as recomendações médicas e levei-a até onde foi humanamente possível, ficando deitada por muitas semanas numa cama em casa e depois no hospital. Quando entrei no quinto mês uma infecção fez com que começasse a perder o líquido amniótico e os médicos disseram-me que tinha que interromper. Se já doeu ouvir, imagina sabendo que o bebé era completamente saudável. 

Foi muito difícil tomar a decisão. Foi igualmente difícil passar pela dor de fazer um parto normal e não poder ter o bebé nos braços, o meu Gabriel, mas foi ainda mais difícil olhar para o espelho no dia seguinte ao parto e já só ver um novamente. Fica um vazio.

Foi um período muito emotivo da minha vida. Chorei, contestei, orei, mas também sorri imenso, porque me senti abençoada por aquele breve momento em que uma alma me escolheu para mudar a minha vida.

Como as pessoas não sabem como agir contigo, a frase que mais dizem para confortar é um ‘não tinha que ser’, acompanhado de um encolher de ombros e um sorriso, mas para mim ‘foi mesmo assim que teve que ser’.

Se três anos antes tinha tomado a decisão de começar a cuidar de mim fisicamente e mentalmente, este foi o momento em que decidi fazê-lo também emocionalmente e espiritualmente. Estava na altura de parar de cuidar só dos outros e cuidar integralmente de mim. Descobri que sou ainda mais forte do que imaginava, talvez porque nunca perdi a minha fé.

E tu? Tu também és mais forte do que acreditas. És uma pessoa incrível, com uma história única e bonita. Não permitas que julguem ou critiquem as tuas escolhas. Apenas confia, ama-te, vive por ti, agradece tudo o que te acontece, tudo, e nunca, mas nunca percas a tua fé nem os teus sonhos, pois no final tudo dá certo!

Se ainda não tens o meu ebook, 5 dias detox para iniciares a tua transformação, podes descarregar aqui. Lá tens imensas dicas simples e saudáveis para colocares em prática na tua rotina. Ajudaram-me imenso no início do meu processo de transformação, e quem sabe te podem ajudar a ti também.

Com amor,
Ana

27.6.20

BOLO DE CENOURA FÁCIL

Ficar isolada em casa durante estes três meses trouxe-me muitas coisas positivas, uma delas foi conseguir dedicar-me mais aquilo que tanto gosto, cozinhar e ensinar a cozinhar.

Aproveitei que Luis andava a salivar por um bolo de cenoura, por ver tantas receitas a circular nas redes sociais, que peguei nos ingredientes que tinha em casa e saiu esta. O bolo ficou tão delicioso que já repetimos algumas vezes.

INGREDIENTES para o bolo
4 ovos
4 cenouras pequenas
200g de farinha para bolos
100g de açúcar amarelo
50g de proteína vegetal
100ml de bebida de aveia sem açúcar
1 c. chá de fermento
1 c. sopa de canela

PREPARAÇÃO
Pré aquece o forno a 180°.
Tritura as cenouras cruas e bater com os ovos.
Acrescenta o açúcar e continua a bater até a massa ficar homogénea e borbulhar.
Junta a farinha, a proteína, o fermento e canela e mexe.
Acrescenta a bebida e envolve até a mistura ficar homogénea.
Leva ao forno por 40min ou até que a tua casa cheire a bolo.

INGREDIENTES para a cobertura
1/2 tablete de chocolate 85%
1 c. sopa de manteiga de coco
Derrete o chocolate com a manteiga em banho maria, e cobre o bolo depois de ele arrefecer.


Se quiseres fazer parte da minha comunidade SÊ MAIS e ter acesso a imensas receitas descomplicadas basta acederes pelo link:


Com amor,
Ana